SOBRE_O_BEHAVIORISMO_1242578914P

As citações abaixo são de B.F. Skinner em seu Livro sobre o Behaviorismo, onde ele relata as acusações feitas ao Behaviorismo Radical e que por sinal são todas falsas. Esse trecho é uma parte da primeira aula do Curso que ministrarei na Universidade nas próximas semanas.

1-     O behaviorismo ignora a consciência, os sentimentos e os estados mentais;

2-     Negligencia os dons inatos e argumenta que todo comportamento é adquirido durante a vida do indivíduo

3-     Apresenta o comportamento simplesmente como um conjunto de respostas a estímulos, descrevendo a pessoa um autômato, um robô, um fantoche ou uma máquina;

4-     Não tenta explicar os processos cognitivos;

5-     Não considera as intenções ou propósitos;

6-     Não consegue explicar as realizações criativas – na Arte, por exemplo, ou na Música, na Literatura, na Ciência ou na Matemática;

7-     Não atribui qualquer papel ao eu ou à consciência do eu.

8-     É nescessariamente superficial e não consegue lidar com as profundezas da mente ou da personalidade;

9-     Limita-se à previsão e ao controle do comportamento e não apreende o ser, ou a natureza essencial do homem;

10-  Trabalha com animais, particularmente com ratos brancos, mas não com pessoas, e sua visão do comportamento humano atém-se, por isso, aqueles traços que os seres humanos e os animais têm em comum;

11- Seus resultados, obtidos nas condições controladas de um laboratório, não podem ser reproduzidas na vida diária, e aquilo que ele tem a dizer acerca do comportamento humano no mundo mais amplo, torna-se, por isso, uma metaciência não-comprovada;

12- Ele é bem supersimplista e ingênuo e seus fatos são ou triviais ou já bem conhecidos;

13- Cultua os métodos da Ciência mas não é científico; limita-se a emular as Ciências;

14- Suas realizações tecnológicas poderiam ter sido obtidas pelo uso do senso comum;

15- Se suas alegações são válidas, devem aplicar-se ao próprio cientista behaviorista e, assim sendo, este diz apenas aquilo que foi condicionado a dizer e que não pode ser verdadeiro;

16- Desumaniza o homem; é redutor e destrói o homem enquanto homem;

17- Só se interessa pelos princípios gerais e por isso negligencia a unicidade do individual;

18- É nescessariamente antidemocrático porque a relação entre o experimentador e o sujeito é de manipulação e seus resultados podem, por essa razão, ser usados pelos ditadores e não pelos homens de boa vontade;

19- Encara as idéias abstratas, tais como moralidade ou justiça, como ficções;

20- É indiferente ao calor e à riqueza da vida humana, e é incompatível com a criação e o gozo da arte, da música, da literatura e com o amor próximo.

Referência Bibliográfica:

SKINNER, B.F. Sobre o Behaviorismo. São Paulo: Cultrix LTDA, 2002.

Anúncios